Este site usa cookies de análise para coletar dados agregados e cookies de terceiros para melhorar a experiência do usuário.
Leia a Política de privacidade completa .
EU ACEITO

Logo UISG Piazza di Ponte Sant'Angelo, 28 | 00186 Roma, Italia | Tel: 0039 06 68 400 20 | Mob: +39 3441734506 | coordinator@talithakum.info

| | | |

NOTÍCIAS

DE VOLTA

17 Janeiro 2023

A história de Mariana

Me chamo Mariana e esta é minha história:

Eu nasci na Romênia em uma família rica e era a mais velha de duas irmãs. Minha vida mudou quando eu tinha 13 anos de idade. Um dia, após sofrer um estupro coletivo por uma gangue, me senti  excluída de todos, da escola, dos meus amigos, e me convenci de que a única possibilidade para minha vida seria a prostituição.

Me convidaram a ir para a Espanha, onde me prometeram uma pensão, após alguns anos. Assim, decidi partir.

Alguns traficantes do meu país me venderam por 300 euros aos proprietários de um bordel. Lá as noites eram muito longas, pareciam não ter fim. Eu tinha que estar com homens de todas as idades e aparências, para quem éramos apenas pedaços de carne para comer e usar. Durante cinco anos fiquei presa na prostituição, passando por mais de quarenta prostíbulos, lugares visíveis para toda a sociedade, que para mim nada mais eram do que um campo de concentração, uma prisão. Onde eu era obrigada a satisfazer os desejos dos homens 24 horas por dia.

Eu estava cansada de abusos e violência, e graças a uma reunião e ao acompanhamento das Irmãs, pude dizer basta e coloquei minha vida em minhas mãos. As Irmãs me encorajaram a retomar meus estudos e a recuperar minha autoconfiança. Hoje entendo que a prostituição não é o único caminho possível para mulheres como eu. Todas nós merecemos viver livres da violência e do tráfico”.

 

Como Mariana, muitas meninas e adolescentes sofrem a violência diária do tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, forçadas à prostituição contra sua vontade, vulneráveis pela discriminação sofrida pelas  mulheres em diferentes contextos culturais.“Talitha Kum está determinada a combater a diferença de poder entre homens e mulheres em todos os setores - econômico, social, familiar, político, cultural e religioso -  como um fator-chave que contribui para coisificar e a denegrir as mulheres e dá origem a uma cultura de violência, da qual o tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, a exploração do trabalho e outras formas de exploração, são uma expressão atroz”.

(A Chamada à Ação de Talitha Kum)

 

De acordo com o Relatório Global do UNODC sobre Tráfico de Pessoas (2020), o tráfico para fins de exploração sexual é a forma mais comum de tráfico detectada na Europa (tanto na região oeste e sul como na região centro e sudeste). A maioria das vítimas ainda são mulheres. "A maioria dos fluxos de tráfico transfronteiriço no mundo estão confinados dentro da mesma sub-região ou região. [A maioria das vítimas detectadas na Europa são européias, mas com fluxos significativos de outras regiões, etc.".

A REDE
NO MUNDO

As redes de Talitha Kum encontram-se en todos os continentes e coordenam os esforços contra o tráfico de pessoas de 50 redes intercongregacionais organizadas em nível nacional-local; e 10 redes de coordenação conjuntamente diferentes países articuladas em nível regional.

* Dados do Censo de Talitha Kum 2021

SUBSCREVER PARA
NOSSA NEWSLETTER

PRIVACY

Idioma em que você deseja receber na newsletter

“Quando as teias da aranha se juntam,
elas podem amarrar um leão”

(provérbio Etíope)